Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 30 de maio de 2010

"Toda a terra devia ser um grande abraço" - José Martí


Diretoria da ACJMMG comemora os 50 anos do ICAP com direito a bolo e apagar de velas

Com a presença de um público expressivo, foi realizado no ultimo dia 28 de maio o ENCONTRO DOS AMIGOS DE CUBA CONTRA A OFENSIVA M IDIÁTICA, promovido pela Associação Cultural José Marti de Minas Gerais no Espaço Cultural do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de MG. O evento foi preparatório para a 18ª Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba, que acontece de 4 a 6 de junho, em Porto Alegre, e reune o movimento brasileiro de solidariedade a Cuba.

No ano em que se comemoram os 50 anos do Instituto Cubano de Amizade entre os Povos (ICAP),
o cientista social e Diretor do Acampamento Internacional Julio Antonio Mella – CIJAM (Brigadas de Solidariedade a Cuba); Juan Carlos Machado Barrios, presente ao encontro falou sobre a trajetória da instituição que trabalha com 2.027 associações de amizade em 147 países, dando mostras de que a defesa da revolução cubana não está só.

Na oportunidade também foi lembrado que em todo o mundo já foram criados 346 comitês em 111 países pela libertação dos cinco cubanos injustamente presos e condenados nos EUA, há doze anos, em um processo arbitrário, sem as garantias necessárias e desrespeitando os direitos fundamentasi de qualquer preso em qualquer lugar do mundo.

Antônio Guerrero, Fernando Gonzalez, Geraldo Hernandez, Ramon Labañino e René González, presos desde setembro de 1998, monitoravam ações terroristas que utilizam o território da Flórida para planificar e executar atividades contra a Ilha. Na ocasião, eles conseguiram evitar 170 atos terroristas planejados contra Cuba.

A questão envolvendo os cinco cubanos foi colocada pelo ex-presidente da ACJMMG, José Vieira, como uma violação aos direitos humanos que deve ser repudiada por todos.
O encontro contou ainda com as presenças dos jornalistas Beto Almeida, diretor da TV Sur e Luiz Carlos Bernardes, o Peninha, da TV Band, que falou da sua experiência como jornalistas e observador das eleições cubanas na década de 90.
Beto Almeida fez uma análise do bloqueio midiático a toda América Latina e seus governos progressistas como os da Venezuela, Bolívia e Equador e conclamou todos a lutarem pela integração latinoamericana como a melhor forma de vencer o bloqueio.