Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Cia. Cubana Yoruba Andabo leva rumba viva de Havana ao Palácio das Artes


As raízes africanas por trás dos “calientes” ritmos cubanos tão aplaudidos e amados na arte do Buena Vista Social Club será mostrada pelo Yoruba Andabo em apresentação na na terça-feira, 3 de agosto de 2010 , às 20h, na Sala Ceschiatti do Palácio das Artes.
A premiada troupe de percussionistas, cantores e dançarinos cubanos aportou na cidade ainda este mês para uma temporada de shows. Trata-se da Yoruba Andabo, Cia Cubana de Dança Folclórica que nasceu no cais do Porto de Havana e, desde 1985, viaja o mundo encantando platéias com o som, o colorido e o gestual extraídos da raiz africana da rumba e de outros ‘calientes’ ritmos cubanos.
O espetáculo ‘Rumba Viva na Havana’, que a companhia Yoruba Andabo traz a Belo Horizonte já se apresentou, com sucesso, no Canadá, França, Suíça, Londres e Colômbia. São 15 artistas em cena e no repertório, em dois atos, eles apresentam El Congo e o Ciclo Yoruba, Abakuá e o chamado “complexo da rumba”, com seus tradicionais ritmos, especialmente o yambu, o guaguancó e a columbia.
A companhia tem sua gênesis no cais do Porto de Havana, em 1961, quando um grupo de trabalhadores reunia-se em festas e eventos artísticos sindicais. Eles deram origem ao Guaguancó Marítimo Portuário, conjunto que, nos anos 80, iniciou sua atividade profissional com o nome Yoruba Andabo.
A partir daí, o Yoruba Andabo exibiu sua arte em eventos da União de Escritores e Artistas de Cuba, trabalhou com a gravadora cubana Egrem por iniciativa do consagrado compositor e cantor cubano Pablo Milanês e dividiu o palco com a cantora folclórica Merceditas Valdés. Atualmente soma mais de vinte discos gravados, muitos deles premiados nacional e internacionalmente.
Em 1992, o disco “El callejón de los rumberos” levou o premio Juno, equivalente canadense do Grammy norte-americano. Em 2001, a Cia conquistou um Grammy compartilhado. Também coleciona nomeações a prêmios da Academia de Música da Espanha (2006) e ao Grammy Latino (2003 e 2006). Sua arte tem sido apreciada por platéias do Canadá, Estados Unidos, Costa Rica, Panamá, Colômbia, México, Espanha e de Genebra, Paris e Londres.