Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Fernando Morais lança HOJE em BH “Os Últimos Soldados da Guerra Fria”



A obra narra a aventura dos espiões cubanos em território americano e mostra os tentáculos de uma rede terrorista com sede na Flórida e ramificações na América Central, e que, segundo o autor, conta com o apoio tácito nos Estados Unidos de membros do Poder Legislativo e com certa complacência do Executivo e do Judiciário.

No próximo 05 de setembro, no Palácio das Artes,às 19h30, dentro das comemorações dos 25 anos do projeto Sempre um Papo

Ignorado pela mídia hegemônica, o caso dos 5 cubanos presos nos EUA,revela principalmente que o terrorismo abrigado nos EUA também não é denunciado.
Organizações criminosas internacionais, aventuras mirabolantes, disfarces perfeitos, emissários secretos e conquistas amorosas. O livro traz todos os elementos de suspense de um romance de espionagem. Mas não contém um só pingo de ficção. Contando a saga da Rede Vespa, um seleto grupo de agentes secretos que se infiltrou em organizações anticastristas em Miami, o autor nos transporta ao incrível mundo desses James Bonds tropicais, que ao contrário do agente secreto inglês têm ainda de enfrentar uma profunda penúria de recursos, técnicos e financeiros, enquanto desempenham seu trabalho perigoso e solitário. Ao escrever uma história cheia de peripécias dignas dos melhores romances de espionagem, Fernando Morais mostra mais uma vez como se faz jornalismo de primeira qualidade, com rigor investigativo, imparcialidade narrativa e sofisticados recursos literários.

Fernando Morais

Nasceu em Mariana (MG), em 1946. Jornalista trabalhou no “Jornal da Tarde”, na revista “Veja” e em várias outras publicações da imprensa brasileira. Recebeu uma vez o prêmio “Esso” e três vezes o prêmio “Abril” de jornalismo. Foi deputado e secretário da Cultura e da Educação do Estado de São Paulo. Seus livros publicados pela Companhia das Letras são, “Olga” e Chatô, o rei do Brasil”.


O Sempre Um Papo realiza a festa de comemoração de seus 25 anos. Para celebrar, seu idealizador, Afonso Borges, realiza no dia 05 de setembro, segunda-feira, às 19h30, no Grande Teatro do Palácio das Artes, um encontro especial, com entrada gratuita. No palco, o jornalista Zeca Camargo é o convidado para mediar um debate com importantes escritores, que durante esses 25 anos participaram por diversas vezes do projeto. Fernando Morais lança “Os Últimos Soldados da Guerra Fria” (Companhia das Letras); Frei Betto apresenta seu novo romance, “Minas do Ouro” (Rocco); Ruy Castro e Heloisa Seixas lançando “Terramarear – Peripécias de um Turista Cultural” (Companhia das Letras); Leonardo Boff, lançando “Cuidar da Terra, Proteger a Vida” (Record); Zuenir Ventura fala sobre o tema “80 anos de Vida –Jornalismo e Literatura”, além de autografar seus livros, assim como Luis Fernando Veríssimo e Zeca Camargo.

Na data, o projeto lança a quinta série de DVDs, “Sempre Um Papo – Cultura para a Educação”. O material será entregue a 600 escolas da rede pública, por meio da Secretaria de Estado da Educação.

Fonte: Projeto Sempre um Papo


25 anos de Sempre um Papo
25 anos da Solidariedade a Cuba

Associação Cultural José Martí – MG, 25 anos de solidariedade

Nesses 25 anos, o projeto “Sempre um Papo” e a Associação Cultural José Martí – MG realizaram,cada um à sua maneira, diversas parcerias promovendo o melhor da cultura mundial em BH, quebrando o estigma de que bens culturais de qualidade são de difícil acesso.

Especificamente na relação com Cuba, o olhar de intelectuais e artistas ajudam a quebrar o bloqueio existente em boa parte da imprensa brasileira sobre Cuba e o lançamento hoje do novo livro do Fernando Morais, Os últimos soldados da guerra fria, se torna referência ao lançar luz sobre um tema central hoje que é o de se entender as ações imperialistas e a construção desse bárbaro bloqueio.

No dia 12 de setembro haverá uma manifestação mundial visando dar visibilidade à questão dos cinco heróis cubanos tratados no livro do Fernando Morais e a José Martí – MG estará promovendo um ato público na Praça 7, às 10 hs.

Participe! Se informe em http://associaojosemartimg.blogspot.com/
“Ser culto para ser livre” - José Martí


Vicente Gonçalves é Cidadão Honorário de Belo Horizonte e da cidade irmã Havana


O advogado e líder operário, Vicente Gonçalves, recebeu dia 12 de agosto de 2011, o título de Cidadão Honorário de BH, em reconhecimento da sua longa trajetória no interesse da coletividade. A Associação Cultural José Marti de MG, representada pela sua Diretora Geral, foi uma das entidades convidadas para a Homenagem, e em seu discurso, Míriam Gontijo, lembrou a todos que ao receber o título de cidadão honorário de Belo Horizonte, o amigo Vicentão poderia se considerar também um cidadão honorário de Havana, cidade-irmã de Belo Horizonte, desde 1993.
Sob aplausos da platéia, a diretora geral,lembrou os 25 anos de existência da associação, cuja primeira presidenta foi a vereadora D.Helena Greco, falecida recentemente. Lembrou ainda, que em 2007, a camâra dos vereadores de Belo Horizonte homenageou a profª e revolucionária cubana, Maria Dolores Ortiz, com o título de cidadã de Belo Horizonte, por entender que ela, ao participar da campanha, em 1961, que erradicou o analfabetismo da ilha, prestou um grande serviço à humanidade.

A sessão de homenagem ao líder Vicentão pode ser acompanhada pela TV Câmara em

http://tvcamarabh.overseebrasil.com.br/an/streaming.php?id=1696&m=166

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

SÁBADO 13: Aniversário de 85 anos do companheiro Fidel


50 ANOS DE ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM CUBA E 85 ANOS DE FIDEL CASTRO
Piquinique Cultural de 10h às 14h na Praça 7- Centro de BH-
Venha comemorar conosco


A Associação Cultural José Marti de MG, entidade sem fins lucrativos e de apoio e solidariedade a Cuba socialista, desde 1986,completa este ano 25 anos de fundação,cuja primeira presidenta foi a combativa D. Helena Greco.

O ano de 2011 é um marco para nós : Comemoram-se também 50 anos de erradicação do analfabetismo em Cuba. A frente da revolução está a figura lendária de Fidel Castro.

As comemorações do aniversário do líder da revolução já foram anunciadas. Em Cuba, um concerto com a participação de diversos músicos latino-americanos deve ser realizado em Havana. A celebração deverá culminar com outra apresentação musical, da Serenata pela Fidelidade, no Teatro Karl Marx, na noite da sexta-feira. O centro cultural Expocuba anunciou três dias de comemorações, que devem durar até o domingo.


A Fundação Guayasamín, com sede em Quito, capital do Equador, e criada pelo artista equatoriano e amigo pessoal de Fidel Osvaldo Guayasamín, já falecido, comandará a celebração "Serenata da Fidelidade", com compositores latino-americanos na noite de 12 de agosto, véspera do aniversário do ex-presidente cubano.

Em Belo Horizonte, cidade irmã de Havana desde 1993, o líder socialista será lembrado com uma panfletagem no centro da cidade e a exposição de artigos da cultura cubana revolucionária, de Jose Marti aos dias de hoje.

Cuba é hoje modelo nas áreas de saúde, educação, direitos humanos. Sua boa colocação no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é mundialmente reconhecido. A erradicação do analfabetismo naquele país em 1961 foi a pedra fundamental para o desenvolvimento social e humano, que apesar do bloqueio, caminha agora para a superação dos seus problemas econômicos.



quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Comitê realiza campanha de coleta de assinaturas pela liberdade dos “Cinco Cubanos”


Vamos coletar 1 milhão de assinaturas em solidariedade até o dia 12 setembro



3/8/2011 13:42, Por Adital

Uma campanha de coleta de assinaturas pretende denunciar e exigir justiça e libertação para Fernando González, Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Antonio Guerrero e René González, também conhecidos como os “Cinco Cubanos”. A ação, convocada pelo Comitê Internacional pela Libertação dos Cinco Cubanos, pretende coletar 1 milhão de assinaturas em solidariedade aos antiterroristas até o dia 12 setembro.

A “Campanha Internacional 1 Milhão de Assinaturas pela Libertação dos Cinco” começou no dia 11 de julho e vai até o dia 12 de setembro, data em que os cinco antiterroristas completarão 13 anos detidos nas prisões estadunidenses. Para participar do abaixo-assinado, os interessados devem enviar nome, profissão, movimento ou entidade que faz parte, e país para informacion@libertadparalopscinco.ogr.es

Quem preferir pode confirmar a adesão através do sítio: http://www.libertadparaloscinco.org.es/

O Comitê internacional pede aos apoiadores da causa que divulguem a Campanha para outras entidades e movimentos nacionais e internacionais. Além da coleta de assinaturas, o Comitê realiza, no dia 5 de cada mês, uma ação pela liberdade dos cubanos.

A atividade consiste na denúncia e divulgação do caso para veículos de comunicação e parlamentares de todo o mundo. Além disso, incentiva pessoas que apóiam a causa a enviar cartas e petições pela libertação dos cinco cubanos a autoridades e departamentos de justiça estadunidenses, organizações internacionais de direitos humanos, e embaixadas dos Estados Unidos em cada país.

No próximo dia 13, integrantes do “Movimento Laboral Internacional pelos Direitos Humanos dos Cinco Cubanos” programam realizar uma atividade em Los Angeles. A data coincide com o aniversário de René González, um dos cinco cubanos preso na Flórida. Na ocasião, os participantes terão a oportunidade de assistir a um vídeo sobre os Cinco Cubanos, além de debater sobre o assunto com sindicalistas e representantes do Comitê Internacional pela Liberdade dos Cinco.

Conhecidos como os “Cincos Cubanos”, Fernando González, Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Antonio Guerrero e René González estão, desde 1998, presos nos Estados Unidos sob acusação de espionagem em favor de Cuba sobre ações terroristas planejadas por grupos anticubanos em Miami (EUA). Em 2001, foram julgados e condenados a penas que vão de 15 anos até prisão perpétua.

Assembleia Nacional de Cuba

O pedido pela libertação dos antiterroristas também parte das autoridades cubanas. Na segunda-feira passada (1°), a Assembleia Nacional do Poder Popular divulgou, desde La Habana (Cuba), um comunicado em que pede a libertação dos Cinco.

A Assembleia destacou que o processo de habeas corpus de Gerardo Hernández se finalizará nas próximas semanas. Entretanto, assim como situações anteriores, o cubano não tem seus direitos respeitados. De acordo com a Assembleia, Hernández enfrenta dificuldades para se comunicar com seus advogados e funcionários do consulado cubano, e restrições no acesso a correspondências.

“A Assembleia Nacional do Poder Popular exige às autoridades norte-americanas que ponham fim imediatamente ao tratamento injusto e ilegal contra Gerardo Hernández Nordelo e chama a mais ampla solidariedade dos parlamentares e das pessoas honestas até conseguir a liberdade de nossos Cinco companheiros e seu retorno imediato e sem condições à Pátria”, finalizou.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Homenagem à D. Helena Greco


Será nesta terça-feira,02 de agosto, às 20 horas, na Igreja São José, centro de BH.

HELENA GRECO- UMA HOMENAGEM SINCERA/ Maria José



Helena Greco
(Abaeté, 15 de junho de 1916 - Belo Horizonte, 27 de julho de 2011)

D.Helena Greco, hoje mais do que nunca, sentimos a sua presença, pois a nossa saudade a traz de volta e não morre quem nos outros vive! Sua luta por liberdade e anistia dos presos políticos, nos anos de chumbo da ditadura militar de 1964,faz parte da história de muitos sobreviventes da repressão e dos militantes que se uniram pela causa da liberdade, dos direitos humanos e cidadania.

Representante do Movimento Tortura Nunca Mais de Minas Gerais, D.Helena foi uma das fundadoras do Partido dos Trabalhadores, exercendo dois mandatos pela legenda, na Câmara Municipal de Belo Horizonte (1983-1988 e 1989-1992), sendo uma referência para a inclusão da mulher nos quadrospolíticos do país.

Ela costumava dizer que a cidadania depende diretamente da nossa capacidade de indignação. Sua frase predileta era: “Indignação só se concretiza a partir do exercício permanente da perplexidade”. Defendeu a construção do socialismo como forma de combater a barbárie vivida em nossa sociedade capitalista, onde a violênciasobrepõe os direitos e as necessidades humanas.
D. Helena foi idealizadora e fundadora de várias outras entidades, como a Coordenadoria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de Belo Horizonte, o Conselho Municipal da Mulher, o Fórum Permanente de Luta pelos Direitos Humanos de Belo Horizonte, o Grupo Contra o Trabalho Infantil.


D . Helena e a1a Diretoria daA.C. José Martí – MG - Outubro de1986

Coube também a D. Helena a fundação e o cargo de 1a Presidente da Associação Cultural José Martí- MG, com os objetivos de estreitaros laços de amizade e solidariedade com o povo cubano, estabelecer o reatamento das relações diplomáticas entre Brasil e Cuba , rompidas pela ditadura militarde 1964, e promover o intercâmbio cultural, defendendo os interesses comuns dos dois países.

Em 1987, D. Helena voou até Havana para assinar o Convênio de Intercâmbio com o Instituto Cubano de Amizade com os Povos, oficializando assim a amizade e a solidariedades de Minas Gerais com Cuba. Apesar de todas as dificuldades de um trabalho voluntário, militantes comprometidos com a integração latino-americana e a luta de Cuba, frente ao bloqueio norte americano de mais de 50 anos, resistiram bravamente e hoje rendem a mais sincera homenagemà D. Helena Greco, quando a entidade comemora 25 Anos , resgatando as suas palavras no ICAP, naquele momento histórico:

“Companheiro GuillenZelaya,
Companheiro LuisMorejón,
Companheira Sara Smith,
Sr. Embaixador, Deputados , Companheiros e Companheiras:
É com grande alegria e emoçãoque, representando a Associação Cultural José Martí de Minas Gerais, estamos aqui presentes para firmar o convênio de intercâmbio e colaboração com o Instituto Cubano de Amizade com os Povos.
Este ato significa para nós uma consolidação e um avanço de esforços de estreitamento dos laços de amizade entre o povo brasileiro e o povo cubano, povos irmãos que têm tanta coisa em comum, desde as raízes culturais até o itinerário histórico: nós, brasileiros e cubanos, sofremos a exploração colonial das potências europeias, o horror da escravidão, a opressão do imperialismo.
Os companheiros cubanos já romperam os grilhões do capitalismo e estão construindo valorosamente uma sociedade mais justa, igualitária e fraterna, num processo maravilhoso quese constitui exemplo para todos os povos.
O povo brasileiro ainda está buscando o seu caminho, prosseguindo naluta pela soberania e bem - estar da população; o exemplo dos irmãos cubanos é sempre uma referência para nós.
Foram mais de vinte anos de separação forçada entre estes dois povos irmãos. Na tentativa de compensar e recuperar todo este tempo, foram organizadas as Associações Culturais José Martí e Brasil - Cuba em todo o Brasil.
A nossa Associação Cultural José Martí- MG completa agora um ano. Consideramos, portanto, a assinatura deste convênio como uma comemoração do nosso 1o Aniversário e também como um reconhecimento de trabalho de todas as associações brasileiras amigas de Cuba.
Finalmente, gostaríamos de agradecer o carinho e a atenção com que os companheiros do ICAP nos acolheram: pela simpatia, gentileza e espírito fraternal de todos; e pelo contato direto que nos proporcionaramcom esta sociedade que tem sido a tanto tempo paranós referência de dignidade e combatividade.
Esperamos receber os companheiros do Brasil da mesma forma.
Muito obrigada a todos !
Temos certeza que, daqui para frente, a amizade, o companheirismo e a solidariedade entre brasileiros e cubanos crescerão e fortalecerão cada vez mais.”


Helena Greco - Instituto Cubano de Amizade comos Povos – 30 de outubro de 1987


Fonte: Projeto Nossa América- Profª Mª José